Arquivo de Novembro, 2009

Exposição e Conferência sobre Materiais na Arquitectura na Universidade Lusíada de Lisboa

Entre o dia 20 de Novembro e 19 de Dezembro, encontrar-se-à no Espaço Lusíada (Edifício Ar Líquido), uma exposição com alguns exemplos de materiais da Sika. No dia 27 de Novembro, podem participar numa conferência com o Arquitecto João Santa Rita e alguns elementos da Sika Portugal.

Esta exposição e a conferência foram organizadas pelo Centro de Investigação em Território, Arquitectura e Design que tem desenvolvido um projecto de investigação relativamente aos materiais na Arquitectura.

Cartaz Exposição e Conferência

Cinco Áfricas/Cinco Escolas na Bienal de Arquitectura de São Paulo

Cinco Áfricas/Cinco Escolas é o nome da exposição que compõe a Representação Oficial Portuguesa na 8ª Bienal Internacional de Arquitectura de São Paulo, que vai decorrer de 31 de Outubro a 6 de Dezembro, no Parque Ibirapuera, naquela cidade brasileira.

O comissário da proposta nacional é o arquitecto Manuel Graça Dias e um grupo de seis arquitectos portugueses, todos eles nascidos nos anos 60, autores dos cinco projectos de escolas a construir em outros tantos países africanos de língua portuguesa, respectivamente:

–  Inês Lobo (Achada Fazenda, Cabo Verde);

– Pedro Maurício Borges (Cacheu, Guiné-Bissau);

– Pedro Reis (Santa Catarina, São Tomé e Princípe);

– Jorge Figueira (Benguela, Angola);

– e a dupla Pedro Ravara/Nuno Vidigal (Vila do Milénio, Lumbo, Nampula, Moçambique).

Perante o desfio de construir uma participação na Bienal de São Paulo que fosse mais “propositiva, eventualmente útil e que não se esgotasse no narcisismo das mostras/representações convencionais”, o olhar “foi voltado para África e para os países de lingua oficial portuguesa que nos são afectiva e historicamente mais próximos”, resume Manuel Graça Dias no texto de apresentação da exposição.

Conhecidas as grandes carências com que essas jovens nações se debatem no sentido da construção de sociedades mais justas e democráticas, no meio dos enormes desequilíbrios provocados pela irracionalidade económica mundial, o tema da educação e das construções a ela dedicada, não pôde deixar de nos surgir como o mais premente e o que maior sentido faria estimular e promover. Uma ou mais escolas para África, a primeira ideia que então se esboçou”, explica.

Assim foram encomendadas a cinco equipas “cinco propostas concretas de projectos para edifícios escolares de grande qualidade arquitectónica e de baixo custo, fortemente “sustentáveis”, em termos de manutenção futura e de resposta, quer social quer ambiental; projectos que serão posteriormente oferecidos pelo Estado português às nações africanas presentes na C.P.L.P. (Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Angola e Moçambique)”, escreve o comissário.

É a exposição ‘dramatizada’ destas cinco maquetas, num registo em que “os trabalhos dados a ver não aparececrão envoltos em orçamentos milionários” que constitui a representação nacional na Bienal de São Paulo, “uma colecção” que se constituirá no objecto principal da mostra/representação. “Será igualmente editado um catálogo de “ilustração do método de trabalho” e de exposição dos resultados do conjunto da acção”, refere Manuel Graça Dias.

O catálogo incluirá ainda os textos de cinco críticos da mesma geração que foram convidados a acompanhar o trabalho de cada um dos arquitectos (Nuno Grande, Diogo Seixas Lopes, Ricardo Carvalho, Ana Vaz Milheiro e André Tavares), bem como um texto do arquitecto José Manuel Fernandes sobre o historial da arquitectura colonial portuguesa nos anos 60 e 70 nos países africanos envolvidos.

Não se devendo esgotar na exibição/presença em São Paulo o esforço dispendido, os projectos encomendados deverão depois seguir para os respectivos destinos, tentando o Governo português (através de patrocínios comerciais ou institucionais) a sua viabilização, em termos de construção. Uma “segunda edição” do catálogo deverá vir a ser divulgada, englobando em mais um ou dois cadernos os resultados finais das operações de construção dos diversos projectos”, remata o comissário.

Mais em http://www.dgartes.pt/saopaulo2009/index.htm

REPRESENTAÇÃO OFICIAL PORTUGUESA

8ª Bienal Internacional de Arquitectura de São Paulo

31 Out/ 6  Dez 2009

Pavilhão Ciccillo Matarazzo

Parque Ibirapuera / São Paulo/

Brasil

Organização e produção: Ministério da Cultura/Direcção Geral das Artes

Foto: Luísa Ferreira

Notícia publicada em: http://www.oasrs.org/conteudo/agenda/noticias-detalhe.asp?noticia=1820

Exposição Lisboa, Planos e Projectos – Uma Cidade para as pessoas

Está patente até ao dia 28 de Dezembro no Atrium do Ministério das Finanças (Terreiro do Paço), a Exposição Lisboa, Planos e Projectos – Uma Cidade para as Pessoas.

A exposição reúne um conjunto de planos e projectos desenvolvidos recentemente, incluindo informação relativa ao novo PDM para Lisboa, Plano de Urbanização da Envolvente da Estação do Oriente (Joan Busquets), Plano de Pormenor da Baixa Pombalina (Jorge Catarino Tavares), Plano de Pormenor do Parque Mayer (Manuel Aires Mateus), Plano de Urbanização de Alcântara (Manuel Fernandes de Sá), Estudo Urbano da Avenida de Berna (José Mateus), Plano de Pormenor do Aterro da Boavista Nascente (João Luís Carrilho da Graça), Plano de Pormenor do Parque Hospitalar, entre outros.

A exposição conta ainda com um núcleo da Sociedade Frente Tejo.

Em paralelo com a exposição, decorre o Seminário Cidade|Projecto organizado no âmbito disciplinar de Laboratório de Arquitectura III,  Mestrado Integrado de Arquitectura com a colaboração do Mestrado Erasmus Mundus de Estudos Urbanos em Regiões Mediterrânicas (Eur-Med). O Seminário tem lugar às 3ªs feiras, às 15h30, no Espaço Rainha Sonja-CUBO, com o seguinte programa:

17|11 As Estruturas Edificadas como Matéria de Projecto: Intervenções Recentes

Margarida Grácio Nunes e Fernando Sanchez Salvador, FAUTL

24|11 Intervenções em Património Urbano: Mosteiro de Santa Clara‑a‑Velha

Alexandre Alves Costa e Sérgio Fernandez, FAUP

Intervenções de apoio à reabilitação urbana: Bairros críticos

José Aguiar e João Pernão, FAUTL

Maria João Freitas, IHRU*

15|12 Brasília, 50 anos. Capital da esperança e património moderno

Tânia Beisl Ramos, FAUTL

A entrada é livre.

Mais em http://home.fa.utl.pt/~camarinhas/1SCP.htm

 

Cartaz Exposião

Notícia publicada em: http://www.oasrs.org/conteudo/agenda/noticias-detalhe.asp?noticia=1849

Estudantes de arquitectura da UTL ganham prémio

Manuel Damião, Samuel Fanhais e Guilherme Cardoso são os três estudantes de arquitectura da UTL que ganharam o concurso de ideias que a multinacional Alstom lançou para premiar uma ideia “simples e funcional” para os interiores do TGV.

Bancos mais elevados para sentir a velocidade como numa “montanha-russa“: foi esta a ideia dos concorrentes.

A nossa ideia-base era tornar as coisas mais simples e intuitivas para o povo português. A ideia de subir um bocadinho o lugar é poder sentir os 300 quilómetros por hora passar junto à janela como numa montanha-russa. Além disso, as pessoas mais velhas têm mais facilidade em aceder a lugares mais altos porque não precisam de se baixar para se sentar e as pessoas que não conseguem pôr a bagagem por cima podem pô-la em baixo“, disse à Agência Lusa Manuel Damião.

A Alstom, empresa que construiu os comboios que actualmente fazem o serviço Alfa Pendular, da CP, e que quer concorrer também ao projecto do Metro Mondego, as ideias são válidas, mesmo sem a certeza de como irá correr o concurso para o TGV.

Não sabemos quais vão ser os requisitos e as especificações técnicas para um caderno de encargos codo projecto da alta velocidade em Portugal, quando o conhecermos logo veremos se as ideias são compatíveis e incorporáveis“, disse à Lusa Ângelo Ramalho, presidente da Alstom Portugal.

Para já, são ideias excelentes de gente que exibiu uma capacidade técnica e uma criatividade a toda a prova. E são ideias que tanto são válidas em Portugal como em outra parte do mundo. E se pudermos utilizá-los em projectos em outras partes do mundo, a satisfação será ainda maior“, acrescentou.

Na apresentação dos vencedores, o desenhador Xavier Allard, da Alstom, destacou a ideia “simples e pura” de jogar com a altura dos bancos como um factor novo na organização do interior dos comboios, que permite várias soluções modulares.

Os três vencedores ganharam a oportunidade de estagiar num dos escritórios de design da Alstom.

Notícia publicada em: http://www.oasrs.org/conteudo/agenda/noticias-detalhe.asp?noticia=1914

Prémio Enor para seis arquitectos portugueses

Duas obras arquitectónicas portuguesas, o Laboratório Químico do Museu das Ciências de Coimbra e o Mercado Público da Comenda, Alentejo, foram premiadas ‘ex aequo’ na IV edição dos Prémios de Arquitectura Ascensores Enor.

João Mendes Ribeiro, Carlos Antunes e Désirée Pedro, autores do projecto de remodelação do Laboratório Chimico e Telmo Cruz, Maximina Almeida e Pedro Soares, que assinaram o Mercado Público da Comenda, no Alentejo, foram os contemplados nesta edição. O “Grande Prémio”, no valor de dez mil euros, foi atribuído aos espanhóis Víctor Cotelo e Juan Funes, autores de uma vivenda unifamiliar, no conjunto da antiga fábrica de curtumes da Ribeira de San Lourenzo, em Ponte Sarela, Santigo de Compostela.

Os autores dos dois projectos portugueses, distinguidos com um prémio no valor de quatro mil euros, foram seleccionados entre um total de 11 finalistas. Segundo António Balsinha, director da Enor Portugal, citado pelo Jornal de Notícias, “as obras vencedoras vêm confirmar o excelente momento que a arquitectura nacional atravessa e a sua condição de referência a nível mundial“.

Segundo revelou a organização, na base da escolha do projecto de remodelação do Laboratório Chimico, do Museu das Ciências, esteve, de acordo com o júri da iniciativa, “a sensibilidade na relação com a pre-existência, o que permite gerar uma arquitectura carregada de emoções e com um cuidado extraordinário“.

Já no Mercado Público da Comenda, o júri teve em conta “o cuidado na sua relação com o espaço urbano e a criação de um espaço público que vem qualificar este ambiente“.

O júri era composto pelo arquitecto português João Álvaro Rocha e por Andrés Fernandez-Albalat, Francisco Beloqui, David Cohn, Javier Revillo, José Rodríguez e Carlos Quintáns.

Todos os projectos vencedores, finalistas e seleccionados pelo júri serão incluídos num livro, editado em português e em castelhano, que será distribuído gratuitamente entre os profissionais do sector, bibliotecas, centros de arte contemporânea ibéricos e nas faculades de arquitectura.

Instituídos em 2005, os prémios ibéricos Enor têm como principal objectivo “contribuir para a divulgação das melhores obras de arquitectura realizadas em Portugal e Espanha” e já contemplaram os arquitectos  Eduardo Souto Moura e Francisco Aires Mateus em edições anteriores.

O concurso registou para cima de 400 obras concorrentes.

Mais em http://www.enor.es/premio/index_pt.html

LaboratórioChimico - João Mendes Ribeiro, Carlos Antunes e Désirée Pedro

Mercado da Comenda - Telmo Cruz, Maximina Almeida e Pedro Soares

Notícia publicada em: http://www.oasrs.org/conteudo/agenda/noticias-detalhe.asp?noticia=1916

Exposição dedicada a José Santa Rita na Casa da Cerca

Inaugura no dia 21 de Novembro, pelas 18h, na Casa da Cerca  em Almada, uma exposição de homenagem ao arquitecto José Santa-Rita (1929-2001).

A mostra  acontece no âmbito do 3º Prémio Municipal de Arquitectura “Cidade de Almada”, promovido pela Câmara Municipal de Almada e que, em cada biénio, homenageia um arquitecto português de reconhecido mérito.

José Santa-Rita é autor de um longo percurso, desenvolvido ao longo de 50 anos, e que constitui uma mais valia cultural no panorama da arquitectura portuguesa.

O trabalho do arquitecto abrangeu os sectores público e privado, tendo recebido vários prémios.

Participou ainda em várias certames nacionais e internacionais.

A exposição está patente até 17 de Janeiro de 2010.

Informações Úteis

Entidade(s): Câmara Municipal de Almada

Espaço: Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea

Morada/Local: Rua da Cerca 2, Almada

Telefone: 212724950

Horário de Funcionamento:

Terça a Sexta – 10h às 18h

Sábados e Domingos – 13h às 18h

Encerra Segundas e Feriados

Mais em http://prod.cmav2.acd.pt/portal/page/portal/CASA_CERCA/EXPOSICOES/?cer=1&actualmenu=4695150&cerca_exposicoes=6461836&cboui=6461836

 

Notícia publicada em: http://www.oasrs.org/conteudo/agenda/noticias-detalhe.asp?noticia=1921

Exposição sobre Manuel Gomes da Costa em Faro

A exposição “MGC – Moderno ao Sul“, uma retrospectiva das obras do arquitecto algarvio Manuel Gomes da Costa da responsabilidade da Delegação do Algarve da Ordem dos Arquitectos, está patente, até 29 de Novembro, no Museu Municipal de Faro.

Considerado um dos responsáveis pela introdução da arquitectura moderna no Algarve, Manuel Gomes da Costa (MGC) foi influenciado pela corrente moderna internacional, especialmente a brasileira, como a de Óscar Niemeyer.

O arquitecto, nascido há 88 anos em Vila Real de Santo António, foi responsável por projectos como a ampliação do Colégio de Nossa Senhora do Alto, mas especializou-se sobretudo na área habitacional, tendo projectado o edifício Tridente, ambos em Faro.

A mostra engloba uma selecção de 38 projectos e quatro maquetas do autor, estando prevista a exibição de um documentário sobre a obra e a vida do arquitecto.

Em torno da exposição estão programados eventos paralelos, entre conferências, tertúlias e visitas a obras de Manuel Gomes da Costa em diferentes localidades o Algarve.

A exposição é uma forma de “agilizar a catalogação, preservação e assimilação consciente na memória colectiva do património do autor“, segundo os organizadores.

A exposição segue em Dezembro para Vila Real de Santo António, cidade de onde é natural o arquitecto.

 

Cartaz Exposição

Notícia publicada em: http://www.oasrs.org/conteudo/agenda/noticias-detalhe.asp?noticia=1874

 


EMAIL naul.wordpress@gmail.com

calendário

Novembro 2009
S T Q Q S S D
« Out   Dez »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Visitantes

  • 122,767 arquitectos